22 de setembro de 2009

Vergonha na cara

Quanto mais se tem de si, 
menos se quer dos outros.

(Arthur Schopenhauer)




Uma das maiores críticas que sempre me fizeram é que nunca tive vergonha na cara. Chateada, defendia-me dizendo que não tinha muita capacidade de odiar, por isso conseguia esquecer com facilidade o que me faziam. E assim, as relações se seguiam (Será?). No entanto, ao abandonar o sentimento de ofensa, me dei conta de que o verdadeiro valor da vergonha na cara não está na discussão ou na imposição de ideias. Nem mesmo tem relação com não saber perdoar ou guardar raiva, mágoa e ódio dentro de si. Trata-se de ter elegância no comportamento e se olhar com respeito e com carinho.
Quem sabe perceber quando sobra, quando não é mais desejado, rebaixado nas entrelinhas, ou quando está servindo de bode expiatório da baixa-estima do outro, e consegue se retirar sem precisar guerrear, deveria ser coroado rei. Como dizem por ai, o silêncio é de ouro e, em minha opinião, as palavras, muitas vezes, nada mais são do que suor desperdiçado.
Nunca gostei de suar e por muito tempo tive a ideia errada de que meu coração era como uma favela, sempre cabia um desabrigado. Não, não cabe. De uns tempos para cá, só tem morada em mim quem faz por merecer este abrigo. Não precisa pagar aluguel, mas é obrigatório colaborar para manter o ambiente limpo e bem cuidado. Em curtas palavras: Mantenha o respeito!
E assim que determinei sem abrir a boca, sem escrever nos murais online da vida e sem precisar me perguntar era correto ou não: posso amar quem eu quiser, mas só demonstro para quem corresponde. No mais, recuo-me e direciono a importância para outra opção ou alguém que mereça. E isso vale para quem vier.
Ainda de uns tempos pra cá, descobri que a vergonha na cara é a eterna luta da real percepção com a coragem. É preciso não se colocar vítima do mundo para não cair nas armadilhas do ego ferido, que crê que todos têm que estar a seu favor - Não se trata disso. E ao mesmo tempo, é preciso uma dose imensa de solitude. De se bancar sozinha. Vai lá que no final das contas seja real o fato de que todas as raízes das árvores do sue jardim precisam ser cortadas?
Não aprendi a ser cangaceira, nem lidar com facão ou serra elétrica e não gosto da agressão do corte. Apenas estou aprendendo a trancar a porta do meu latifúndio e não contar para ninguém onde esta a chave reserva. Quem decide minhas visitas sou eu. Do outro lado, mudei a forma de alimentar a terra. Quando as ervas daninhas não têm o que destruir morrem de inaninação.
Nosso tempo e nossas palavras são preciosas demais para oferecermos a quem não saberá compreendê-las ou escutá-las. E diálogos construtivos são aqueles que não deixam espaço para a autodefesa, para o ataque ou para a sobreposição do certo sobre o errado. Da minha opinião sobre a de ninguém ou a de outrem sobre a minha.
Minha carência seletiva tem se resumido a praticar a máxima de que eu sou minha melhor amiga e companhia.
Para quem olha de fora, parece simplesmente uma brisa suave, ou no máximo, um dia de mau humor. Para quem vive a experiência, sabe que quando a força da mudança se torna impaciente, é preciso ceder e refazer. Já quase não lembro dos que saíram, apenas dos que deixei ficar. Não lembro de ter mandado cartão de despedidas ou ter acenado até breve para ninguém, não recordo de nenhum bate-boca ou mail malcriado. Só recordo de um "Basta".
Se a crítica da falta de vergonha na cara algum dia vai se transformar em elogio, não sei. A busca não é esta. muito menos o caminho. Não há necessidade de aval ou clap, clapt. O que importa mesmo é a sensação de que o nhém-nhém-nhém saiu do cenário, que a energia está se restabelecendo e de que essa é uma decisão sem volta.

13 comentários:

Camila disse...

"o basta"...uma prática libertadora, de modo que, depois dessa decisão, não há como voltar atrás...

adorei...

Leslie disse...

Simplesmente amei o teu post.
Tá lindo e cheio de verdades.
Como tu mesma escreveu "quando a força da mudança se torna impaciente, é preciso ceder e refazer." E reconhecer essa força e aceita-la não é fácil, mas quando deixamos ela fluir por nossas vidas passamos a nos ver mais, nos encontramos, evoluímos mesmo sendo necessário dizer "basta" para algumas coisas e pessoas,recebemos tanto em troca que vale muito apena.
É muito lindo isso!!
Beijocas

Suzi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Suzi disse...

Vou voltar pra ler com calma. Não consegui passar adiante do "...por muito tempo tive a ideia errada de que meu coração era como uma favela, sempre cabia um desabrigado"!
Ainda estou digerindo essas palavras.
Volto depois...

StarBlack . disse...

adorei, desde a frase que se inicia, até a ultima palavra. tem talento, gostei do jeito que põem as palavras.
bjins
:*

Monique disse...

"Nosso tempo e nossas palavras são preciosas demais para oferecermos a quem não saberá compreendê-las ou escutá-las."

Fantásticooo isso!!!
E concordo demais com você...
Essa é uma critica que faço a mim tbm!! Falta de Vergonha na caraa!!! Mas faz um bem danado quando a gente faz um backup das nossas boas experiências, mesmo com as pessoas que nos magoaram posteriormente, mas já aprendi que faz-se necessário, deixa-las armazenadas apenas no coração... São aqueles arquivos que guardamos num cd, pra deletar do computador... rs

Bjão e obrigada pela visita!!

Lis. disse...

Olá...

Quero agradecer-te pela visita ao metamorfose, até porque, dei uma parada nele, e na vida, para redirecioná-la num outro sentido. Recomeçar, representa em muitos casos, uma maneira de se ter liberdade, nas decisões que podem ou não, ser considerada como opção referente ao livre arbítrio de cada um.

Em verdade, acredito piamente, de que ninguém possui liberdade plena em mãos, pois até quem tem "tudo" presumivel para ser livre, está aprisionado em um corpo mortal totalmente limitado, e portanto, sujeito as condições fisícas.

Sempre é bom pensar no que convém ou não agir dentro do respeito a sociedade em que vivemos, mas nunca esquecendo que nossos anseios são imperfeitos, em consequência de todas as vidas que se perderam dos principios perfeitos oriundos das leis do criador.

Basta ver, como se sente bem diante de si, e dos dos seus, sem esquecer que somos mutantes, e assim, o que vale hoje, poderá não valer amanhã...


Bjo.

sumartins disse...

Agora eu sei que preciso rever muitas coisas, preciso mudar meu coração...

Beijos e boa semaninha querida!!

Da Silva disse...

Com o tempo, e com a sucessão de porradas, você vai criando uma carapaça, que não diminui muito o seu grau de tolerância à ofensa.

Mas só depois de apanhar muito.

bjs. bom vê-la de novo no meu blog. saudades

Di disse...

Odiar nunca é positivo, se afastar é o melhor quando não há jeito de melhorar as coisas. Odiar alguém não fará essa pessoa reconhecer ou reparar o mal que te fez. Não deixa ninguém amargar sua vida com um sentimento desse enraizado no seu coração.

Respeito é essencial em relacionamentos de qualquer tipo, se não há respeito mútuo é melhor desistir mesmo da relação.

Eu espero que você esteja feliz!

Obrigada pela companhia, viu?
Beeijo!

Di disse...

Texto ótimo como sempre. ;)

Deh Bastos disse...

"Trata-se de ter elegância no comportamento e se olhar com respeito e com carinho."


caracaa... a melhor definição de 'relacionamento' que eu já li!

#lovethis! =D


bjaum

Oliver Pickwick disse...

Está certa, o ódio bloqueia o raciocínio levando-nos, quase sempre, a decisões ruins. Infelizmente, às vezes é confundido com falta de vergonha.
Um beijo!

P.S.: os meninos "puxaram" ao pai. ;)

Siga esta onda

Related Posts with Thumbnails

Siga esta onda

Related Posts with Thumbnails