9 de fevereiro de 2009

Shame


Vergonha é uma sensação em desuso. Já me disseram. Mas para meus sentidos isso pouco adianta. Sinto toda vez que meus atos carinhosos são mal-interpretados e sempre que a ansiedade julga os atos dos outros com olhos de veneno. Minha vergonha é sem educação. Aparece quando menos imagino. Visita sem ser convidada. Exatamente na hora que o corpo percebe que ainda deseja quem não fez por merecer meu tesão.

De vez em quando, a guerra é feia, ela se traveste de ansiedade e desfila suntuosa pela escada rolante da minha verborragia. Não há muro de proteção que segure. É um tal de palavra errada na hora errada...É como cair da cadeira mesmo permanecendo sentada. Uma sensação de estar flutuando sem rede de proteção.

Quem me dera minha vergonha fosse discreta e se conformasse apenas com o rubor da minha face. Mais do que isso, ela tropeça, descarrega, grita, chora...E mimadinha que só, se arrepende depois.

Vergonha é uma pombagira que incorpora em mim para lembrar que o sangue não é de barata. Então é melhor cuidar do nível de entrega, porque a mocinha aqui não vai sobreviver a Bomba de Hiroshima. O tal do sentimento estranho chega quando a adaptação foi dar uma volta por terras distantes. E ai, lembramos que esquecemos de disfarçar o incomodo quando o carinha de dois dias atrás de repente, simplesmente, cisma de não querer.

Vergonha é aquela coisa inquietante, que te lembra que os outros estão de olho; lembra da promessa de dar orgulho aos seus pais e ao seu analista e que orou antes de dormir prometendo ser uma pessoa equilibrada e serena. E a tentativa quase sempre falha.

Nestas horas, onde a culpa é maior do que o prazer pode ser melhor mandar a vergonha ir pastar em outros corpos e te dar o direito de se mostrar incomodada. Mas sabe como é, ser frágil é ser fraco. Será? Se ter vergonha é ter recato, ser uma sem-vergonha devia ser a glória humana.

É bom não ter vergonha de ser honesto consigo mesmo. Nem pensar duas vezes antes de dizer para o outro: É me senti ferida, sim! É bom não ter vergonha para sussurrar eu te amo no ouvido da mãe, do irmão, do pai, ou do sexo masculino da vez. Bom ser sem-vergonha de recomeçar, de se mostrar humano, de errar e pedir desculpas.

A gente erra tentando acertar; prejudica tentando ajudar; machuca querendo consolar. E por aí, vai. A graça mesmo é ser sem vergonha. Despudorada, jogada na vida, como quem espera apenas o alento do próximo doce ou a saliva quente do próximo beijo.

A falta de vergonha, para nós meros mortais que só queremos comida, diversão e arte, deveria vir no manual de instruções de todo ser que se permite apenas ser...Ou talvez estar, quando lhe for mais conveniente. Quem sabe nem uma coisa, nem outra?

Só que a vergonha chega sempre sem ser evocada. E quando a minha vem, quase me sinto culpada por aquela conversa no domingo, por ter deixado claro minha chateação, por não ter tido os beijos que queria. Ter vergonha, na verdade, seria ter me comportado bem naquele sábado (Isso seria esperteza). Não ter vergonha foi ter ficado tonta com o verde dos olhos alheios.

E hoje, e talvez amanhã e depois, ainda no refluxo destes atos, acho que é melhor usar meu salto mais alto e mandar a vergonha ir $%#@&¨$%. Tudo com muita classe. Afinal, sou uma moça comportada.

32 comentários:

Vane disse...

Eba! Q saudade dos teus textos!
Muito lindo o q vc escreveu...
Bobeira nossa as vezes deixar a vergonha tomar conta da vontade e ser mais forte do q o desejo...
Bjo carinhoso

André Aires disse...

Sua sem vergonha! rs...
Excelente.

Dani Zamô disse...

Adorei a parte de cair da cadeira rs

. fina flor . disse...

eu também gostaria que a minha fosse apenas uma face rosada, Jaque, mas já andei chegando a conclusão que o que sinto não é vergonha, em alguns casos, mas vaidade e orgulho ferido, enfim, vivendo, crescendo, descobrindo, aprendendo....

bom post, moça

beijocas e boa semana

MM.

Luciana Horta disse...

Por vergonha, às vezes confundida com orgulho, perdemos momentos bacanas nas nossas vidas...
Por vergonha, quantas pessoas estão adoecendo de pânico, fobias e por aí vai!
Hoje eu me aceito uma sem vergonha! Claro que ainda dou uns tropeções no orgulho, mas procuro ficar atenta aos sinais... Especialmente aos meus limites!
Bjinhos de LUz

Alexandre Gil disse...

perdidona. Bem assim q t quero, fora!!! hahaha

senao, teus textos ficam uma @#$¨&&*())_)&_(_+* M rsrssr

entao se envergonhe e continue perdida q os fas agradecem!!!

e se precisar colinho, venha conhecer o Gaucho aki!

dZ disse...

é, fiquei confuso

mas to acostumado

:P

Di disse...

Muler, meu problema nem sempre é vergonha. Meu esforço é pra evitar que meu orgulho e minha vaidade estraguem as coisas.
Que a sabedoria ilumine sua vida, viu?
Adorei seu texto!
beijo!

julio de castro disse...

eis aí minha atividade do final de semana: diagnosticar minha[a] vergonha[s].

mil coisas

Anônimo disse...

Não se perca nem fique "desavergonhada" rss... parabéns pelo texto.

Bjo

Selenia

Jonas disse...

Gostei muito do Blog. Estava procurado alguns textos e encontrei seu blog. Parabens

Jonas Schwertner

j.schwertner@gmx.net

Luana disse...

A vergonha fala para ti: seja sempre sem mim.

Tem gente que tem vergonha e é infeliz. É bom termos é vergonha de ser infeliz.

Eu já disse que gosto dos teus textos?
Não sei se são todos autosentimentais, mas acredito que sim, pela propriedade e peculiaridades com que falas. E se forem, otimo. Jornalista tem que dar o pé no saco, às vezes, e virar um pouco mais pra si, num concorda? Hahahahha

Bjo, Jaque!

Etc e tal disse...

uahahaha adorei!!! o texto... eu tenho vergonha de ser tão cara de pau!!!uahahaha

bjus

Suzi disse...

Seu texto me fez pensar em muitas coisas...

beijos.
saudades.
;o)

Rodrigo Brower disse...

Vergonha me remete sempre ao outro, ao que o outro pensa, ao que o outro quer. Como não me importo com esse tipo de 'outro'...Amei o post, muito bom =D Bjs

Rainha de Copas disse...

vim avisar da volta do reino. ;*

Janaina disse...

Gente... como eu me vi neste texto. Ai, Jaque. A gente já foi irmã em alguma vida aí. Não tem outra explicação.

Ana D disse...

Vergonha ataca á quem tem consciência...rsrs

Ciça. disse...

Vergonha é uma loucura, sentimos nosso rosto queimar de verdade!


:*

Di disse...

Ótimo carnaval pra você!
beijão!

Saldanha disse...

Bah,
Teu texto é muito bom...
Q bom q não tens vergonha de escrever.
Abração.

SAULO PRADO disse...

Ola estou só batendo o ponto!!!
Vim conhecer seu cantinho e adorei serei presença constante!!! Parabéns...

Bill Stein Husenbar disse...

Excelente Carnaval repleto de animação, aromas, cor e muita festa.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

SAULO PRADO disse...

Vergonha eu vou ter, se escrever alguma bobeira, aqui neste seu agradável cantinho. Parabéns adorei seu blog e principalmente seu texto você escreve muito bem. É para deixar o cara envaidecido, ao percebe que uma garota inteligente como você acompanha o seu blog, e ainda coloca o link em sua pagina. Obrigado pelo carinho, e pode ter certeza que serei presença constante aqui. Beijos...

Di disse...

Passei pra dizer: oi!
Espero que esteja bem, viu?
beijocas!

Moni disse...

comportada?

Bianca Pyl disse...

nossa essa vergonha insiste em aparecer quando não deve

ótimo texto

beijos

Guiga disse...

O que será que aconteceu no sábado? Hmmmm...
Esse texto tava magnífico! Adorei!
Seja sem-vergonha SEMPRE!!!

Vanessa disse...

Não sei, as vezes ser Sem vergonha não lhe traz bons frutos!
Mas, um prazer sim!

Adorei o blog!
Beijos

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Adorei!

Janaina disse...

Tem selinho pra você no Alfarrábio.

Da Silva disse...

O Luis Fernando Verissimo diz q o tímido é na verdade um exibicionista. Quem fica com vergonha acha q está sendo o centro das atenções.

Não sei se concordo com ele, mas vc escreve bem pra cacete!

bj

Siga esta onda

Related Posts with Thumbnails

Siga esta onda

Related Posts with Thumbnails